quinta-feira, 30 de abril de 2015

Des+espero...

Deixo de esperar...
Anulo a espera...
Desfaço o tempo que passou...

quarta-feira, 29 de abril de 2015

Demónios...

Há anos que fujo dos meus demónios... Não os conheço e sei-os de cor...

Fugas repentinas, quase sempre "profissionais"... Planos elaborados de fuga do meu mundo... de auto-flagelo e de punição... Quase sempre correm mal...

A minha "primeira fuga", há quase oito anos, falhou por ter cedido ao lado humano do conforto... Com isso, caí num segundo abismo... Levantei-me... Ergi-me... Lutei... Estabilizei... Fugi de novo... Há coisa de um ano planeei tudo do novo...

Desta vez, consegui a fuga... Sinto a punição e cada segmento do meu auto-flagelo... Sempre que chego a casa, ao quarto... Sinto a dor que, conscientemente, construí... e que agora rejeito... e, por a rejeitar, mais dor causa... e mais forte é o auto-flagelo... Uma bola de neve... Quanto maior a dor, maior o desejo de não a sentir... maior a dor que sinto...

Não sinto onde estou... este "não-lugar"... Este espaço físico que sabe a um momento de dormência... de não-existência... de não-real...

Mantenho-me longe... dos demónios... de mim...

quinta-feira, 19 de março de 2015

Tu nos meus sonhos...

Hoje voltei a sonhar contigo...
Sabe bem matar saudades dos teus risos... Das tuas gargalhadas...

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Pessoas...

Caras... Manhã... Acabar do dia... Chegar a casa a uma cama sem cheiro... Tirar as meias e dormir...

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Aventura...

Apetece-me... Chegar... Ir ter contigo... Descobrir-te... Aprender-te... Conhecer-te... Viver-te...

Só não sei ainda quem és...

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Pré munição...

Estivemos a ver televisão como de costume... A posição, a mesma de sempre... Braços, ombros, cabeça e encosto fundidos...

Já tarde, fomos para a cama, como sempre fizemos... Com os compassos a que nos acostumámos... O revezar já há muito definido... entre pijamas e casa-de-banho...

Deitámo-nos... A posição de ontem... A mesma da noite que antecedeu ontem e a noite antes dessa noite...

O beijo de "boa noite" é, talvez, já o único do dia...

Na noite que o beijo não sair, ir-se-á perceber que já nada é real...


quinta-feira, 1 de janeiro de 2015

Passagem de Ano...

Gosto da Passagem de Ano enquanto momento que se está com os amigos... é feriado no dia a seguir e a malta pode esticar-se no álcool... Não gosto da Passagem de Ano enquanto "momento de mudança"... Isso é uma hipocrisia pegada e uma palhaçada...

As pessoas desejam coisas para si... que lhes aconteçam coisas boas... bafejadas pela sorte que não procuram...
Continuam a viver indiferentes às situações menos boas dos outros e pedem que o futuro lhes sorria...

Poucas pessoas se apercebem da sorte que temos... Acesso a informação, comunicações, saúde, cuidados médicos, ensino.... Quantos milhares e milhares de pessoas ainda têm de ir buscar água, diariamente, a não-sei-quantos Km de distância... e por aqui, a malta queixa-se de problemas de primeiro mundo, como capas dos telemóveis e programas de televisão...

Enquanto esta falta de percepção existir, pode-se desejar tudo e mais alguma coisa que apenas o que nós procurarmos iremos ter...